História da Copa do Mundo de Quadribol por J K Rowling

QuidditchWorldCup

História da Copa do Mundo de Quadribol

Por JK Rowling

De acordo com o Guia Oficial da Copa do Mundo de Quadribol – produzido pelo Comitê de Quadribol da Confederação Internacional de Magos (ICWQC) e disponível através de todas as livrarias de feiticeiros respeitáveis ​​pela soma, que para muio é ridiculamente cara, de trinta e nove galeões – A Copa vem sendo realizada a cada quatro anos desde 1473. Como com tanta coisa sobre a competição desportiva mais importante do mundo bruxo, muitos questionam a precisão desta afirmação.

Como só as equipes europeias competiram durante os séculos XV e XVI, os puristas preferem a data de início da Copa do Mundo de Quadribol a partir do século XVII, quando se tornou aberto a todos os continentes. Há também debate acalorado sobre a precisão de alguns relatos históricos de torneios. Uma quantidade substancial de todos os centros de análise pós-jogo sobre se a interferência mágica teve lugar e se ele fez, ou deveria ter feito, o resultado final em questão.

O ICWQC tem o trabalho infeliz de regular essa competição contenciosa e anárquica. O livro de regras sobre mágica tanto dentro como fora de campo, se estende por dezenove volumes e inclui regras como ‘nenhum dragão deve ser introduzido no estádio para qualquer finalidade, incluindo, mas não limitado a mascote da equipe, treinador ou aquecedor de copo’ e ‘modificação de qualquer parte do corpo do árbitro, quer ele ou não tenha solicitado tal modificação, levará a um banimento perpétuo do torneio e possivelmente prisão.’

Uma fonte de desentendimentos veementes, um risco de segurança para todos os que o frequentam e um foco freqüente de agitação e protesto, a Copa do Mundo de Quadribol é simultaneamente o evento desportivo mais emocionante na terra e um pesadelo logístico para a nação anfitriã.

Estatuto do sigilo

Um momento decisivo para a Copa do Mundo de Quadribol foi a implementação do Estatuto Internacional de Secretismo em 1692, que tinha como objetivo esconder a existência de magia e feiticeiros. A Confederação Internacional de Magos (ICW) viu a Copa do Mundo de Quadribol como um risco de segurança da mais alta magnitude por causa do movimento de massa e congregação de tantos membros da comunidade internacional de bruxos. No entanto, após protestos em massa e ameaças ao ICW, foi acordado que o torneio poderia continuar e um organismo regulador – o ICWQC – foi montado para localizar locais apropriados – geralmente parques remotos, desertos e ilhas desertas – providenciar transporte para espectadores (como os cem mil que frequentam rotineiramente finais) e policia os jogos eles mesmos, tarefa que é considerada ingrata e difícil no mundo bruxo.

JKR_Quidditch_illustration.jpg

Como o Torneiro Funciona

O número de países que entram em uma equipe de Quadribol para cada Copa do Mundo flutua de torneio para torneio. Onde a população mágica de um país é pequena, pode ser difícil levantar uma equipe do padrão exigido, mas outros fatores como conflito internacional ou desastre podem afetar os números de entrada. No entanto, qualquer país pode entrar com uma equipe dentro os doze meses seguintes à última final.

As equipes são então divididas em dezesseis grupos dentro dos quais cada equipe joga contra todos os outros ao longo de um período de dois anos, até que dezesseis equipes vencedoras permaneçam. Durante a fase de grupo, o tempo do jogo é limitado em quatro horas para evitar a exaustão do jogador. Inevitavelmente isso significa que alguns jogos de grupo não têm a captura de Pomo de Ouro, mas são decididos por gols somente. Qualquer vitória na fase de grupo conta dois pontos. Uma vitória por mais de 150 pontos ganha um adicional de cinco pontos, por 100 um adicional de 3 pontos e 50, 1 ponto. No caso de empate em pontos, o vencedor é a equipa que apanhou o Pomo de Ouro com maior frequência – ou mais rapidamente – durante os seus jogos.

Os últimos dezesseis são classificados de acordo com os pontos que ganharam durante a fase de grupos. A equipe com mais pontos joga a equipe com menos, a segunda equipe com mais pontos, joga a segunda equipe com menos e assim por diante. Em teoria, as duas melhores equipes continuarão a jogar entre si na final.

Os árbitros são escolhidos pelo ICWQC.

Torneios infames

Nenhuma Copa Mundial de Quadribol é sem controvérsias, mas alguns se destacam. Alguns dos mais infames estão listados abaixo.

Ataque da Floresta do Assassino

O horrível clímax da final de 1809 entre a Romênia e a Nova Espanha (o que agora é conhecido como México) caiu na história dos bruxos como a pior exibição de temperamento já dada por um jogador individual. Os companheiros de Niko Nenad ficaram tão preocupados com suas ferozes explosões durante as quartas e semi-finais que tentaram persuadir seu técnico a substituí-lo na final, conselho que foi tristemente ignorado pelo ambicioso velho bruxo. Depois do jogo, o colega de equipa de Nenad, Ivan Popa (vencedor de uma Ordem Internacional de Mérito para as suas ações de salvamento durante a catástrofe) disse a um inquérito internacional: “nas semanas anteriores vimos Niko bater-se sobre a cabeça com a vassoura E ateou fogo a seus próprios pés na frustração. Eu pessoalmente o tinha impedido de estrangular dois árbitros. Contudo, Eu não tinha suspeitas sobre o que ele estava planejando fazer se a final não seguir nosso caminho. Quero dizer, quem suspeitaria disso? Você teria que ser tão louco quanto ele. Precisamente quando e como Nenad conseguiu azarar uma floresta inteira na borda da planície ocidental de Siberian é aberta à especulação, embora se pense que teve cúmplices entre fãs sem princípios e foi provado mais tarde ter pago somas substanciais a bruxos locais. Depois de duas horas de jogo, a Romênia estava atrasada em pontos e parecia cansada. Foi então que Nenad deliberadamente bateu um Balaço fora do estádio para a floresta além do campo. O efeito foi instantâneo e assassino. As árvores brotaram para a vida, arrancaram as raízes do chão e marcharam sobre o estádio, achatando tudo em seu caminho, causando numerosos ferimentos e várias mortes. O que tinha sido um jogo de Quadribol se transformou rapidamente em uma batalha entre humanos e árvores, que os bruxos ganharam apenas após sete horas de luta dura. Nenad não foi processado pois ele foi morto no meio da violência.

O Torneio que Ninguém Lembra

O ICWQC insiste que um torneio tem sido realizado a cada quatro anos desde 1473. Esta é uma fonte de orgulho, provando que nada – guerras, condições climáticas adversas ou interferência trouxa – pode parar bruxos jogando Quadribol. Há, no entanto, um mistério em torno do torneio de 1877. A competição foi sem dúvida planejada: um local escolhido (o deserto de Ryn no Cazaquistão), materiais publicitários produzidos, bilhetes vendidos. Em agosto, no entanto, o mundo bruxo despertou para o fato de que eles não tinham qualquer memória do torneio que ocorreu. Nem os detentores de bilhetes nem qualquer um dos jogadores se lembrava de um único jogo. No entanto, por razões que nenhum deles entendeu, o batedor inglês Lucas Bargeworthy estava havia perdido a maior parte de seus dentes, Os joelhos do candidato canadense Angelus Peel estavam de costas e metade da equipe argentina foi encontrada amarrada no porão de um pub em Cardiff. Precisamente o que tinha – ou não – ocorrido durante o torneio nunca foi provado de forma satisfatória. As teorias variam de um Feitiço de Memória de Massa perpetuado pela Frente de Libertação Goblin (na época muito ativa e atraindo uma série de magos anarquistas descontentes) ou a epidemia de Spattergroit Cerebrumous, uma sub-variação virulenta do Spattergroit mais comum, o que provoca uma confusão grave, e comprometimento da memória. Em qualquer caso, julgou-se apropriado reiniciar o torneio em 1878 e tem sido realizada a cada quatro anos desde, o que explica a ligeira anomalia na seqüência ‘a cada quatro anos desde 1473’.

Royston Idlewind e os dissimuladores

Em 1971, o ICWQC nomeou um novo Diretor Internacional, o assistente australiano Royston Idlewind. Um ex-jogador que fazia parte da seleção vencedora da Copa do Mundo de 1966, ele era, no entanto, uma escolha contenciosa para o Diretor Internacional, devido às suas visões de linha dura no controle de multidões – uma postura indubitavelmente influenciada pelas muitas azarações que ele tinha suportado como estrela do Austrália Chaser. A declaração de Idlewind de que ele considerava a multidão “a única coisa que eu não gosto no Quadribol” não o encorajava aos fãs. Seus sentimentos transformaram-se em pura hostilidade quando ele procedeu a introduzir uma série de regulamentos draconianos, o pior sendo uma proibição total em todas as varinhas do estádio, exceto aqueles transportados por funcionários da ICWQC. Muitos fãs ameaçaram boicotar a Copa do Mundo de 1974 em protesto, mas como estandes vazios foram a ambição secreta de Idlewind, Sua estratégia nunca teve uma chance. O torneio começou devidamente e, enquanto a participação das multidões foi reduzida, o aparecimento de ‘Dissimulators’, um estilo inovador de instrumento musical, animou cada jogo. Esses objetos de tubos multicoloridos emitiam gritos de apoio e sopros de fumaça em cores nacionais. À medida que o torneio avançava, a mania Dissimulator crescia, assim como as multidões. No momento em que a final da Síria-Madagascar chegou, os estandes estavam repletos de uma multidão de feiticeiros, cada um carregando seu próprio Dissimulator. Com a aparição de Royston Idlewind na caixa de dignitários e oficiais de alto escalão, cem mil Dissimuladores emitiram framboesas altas e foram transformados instantaneamente em varinhas que haviam estado disfarçandas o tempo todo. Humilhado pelo desrespeito maciço de sua lei de estimação, Royston Idlewind demitiu-se instantaneamente. Até mesmo os defensores dos seleção perdedora, Madagascar, tinham algo para comemorar durante o resto da noite longa e estridente.

Reaparecimento da Marca Negra

Possivelmente a mais infame final da Copa do Mundo dos últimos séculos foi a partida Irlanda-Bulgária de 1994, que aconteceu em Dartmoor, Inglaterra. Durante as comemorações pós-jogo do triunfo da Irlanda, houve um surto de violência sem precedentes com apoiantes de Lord Voldemort atacado companheiros bruxos e trouxas locais, capturados e torturados. Pela primeira vez em quatorze anos, a mara Negra apareceu no céu, o que causou alarme generalizado e resultou em muitas lesões entre a multidão. O ICWQC censurou o Ministério da Magia ferozmente após o evento, julgando que os arranjos de segurança tinham sido inadequados dada a existência conhecida de uma violenta tendência de sangue puro no Reino Unido. Royston Idlewind emergiu brevemente da aposentadoria para dar a seguinte declaração ao Profeta Diário : “Uma proibição de varinha não parece tão estúpida agora, não é?”

 

 

 

History of the Quidditch World Cup

By J.K. Rowling

According to The Official Guide to the Quidditch World Cup – produced by the International Confederation of Wizards Quidditch Committee (ICWQC) and available through all reputable wizarding bookstores for what many feel is the ridiculously overpriced sum of thirty nine Galleons – the tournament has been held every four years since 1473. As with so much else about the wizarding world’s most important sporting competition, many query the accuracy of this statement.

As only European teams competed during the fifteenth and sixteenth centuries, purists prefer to date the Quidditch World Cup’s inception from the seventeenth century when it became open to all continents. There is also heated debate about the accuracy of some historical accounts of tournaments. A substantial amount of all post-game analysis centres on whether magical interference took place and whether it made, or ought to have made, the final result moot.

The ICWQC has the unlucky job of regulating this contentious and anarchic competition. The rulebook concerning both on- and off-pitch magic is alleged to stretch to nineteen volumes and to include such rules as ‘no dragon is to be introduced into the stadium for any purpose including, but not limited to, team mascot, coach or cup warmer’ and ‘modification of any part of the referee’s body, whether or not he or she has requested such modification, will lead to a lifetime ban from the tournament and possibly imprisonment.’

A source of vehement disagreements, a security risk for all who attend it and a frequent focus for unrest and protest, the Quidditch World Cup is simultaneously the most exhilarating sporting event on earth and a logistical nightmare for the host nation.

QuidditchPitch_PM_B1C11M2_QuidditchMatchGryffindorVsSlytherin_Moment

Statute of Secrecy

A watershed moment for the Quidditch World Cup was the implementation of the International Statute of Secrecy in 1692, which was intended to conceal the existence of magic and wizards. The International Confederation of Wizards (ICW) saw the Quidditch World Cup as a security risk of the highest magnitude because of the mass movement and congregation of so many members of the international wizarding community. However, following mass protests and threats to the ICW, it was agreed that the tournament could continue and a regulatory body – the ICWQC – was set up to locate suitable venues – usually remote moors, deserts and deserted islands – arrange transportation for spectators (as many as a hundred thousand routinely attend finals) and police the games themselves, a task generally agreed to be among the most thankless and difficult in the wizarding world.

How the Tournament Works

The number of countries that enter a Quidditch team for each World Cup fluctuates from tournament to tournament. Where the wizarding population of a country is small it can be difficult to raise a team of the required standard, but other factors such as international conflict or disaster may affect the entry numbers. However, any country may enter a team within the twelve months following the last final.

Teams are then divided into sixteen groups within which every team plays all the others over a two-year period until sixteen winning teams remain. During the group phase, game length is capped at four hours to prevent player exhaustion. Inevitably this means that some group games have no Snitch catches, but are decided on goals alone. Any win in the group phase counts for two points. A win by more than 150 points earns an additional five points, by 100 an additional 3 points and 50, 1 point. In the case of a tie on points, the winner is the team who caught the Snitch most often – or most quickly – during its matches.

The final sixteen are ranked according to the points they won during the group phase. The team with most points plays the team with least, the team with the second most points plays the team with the second least and so on. In theory, the two best teams will remain to play each other in the final.

Referees are chosen by the ICWQC.

Infamous Tournaments

No Quidditch World Cup is without its controversies, but some stand out. A few of the most infamous are listed below.

Attack of the Killer Forest

The ghastly climax of the 1809 final between Romania and New Spain (what is now known as Mexico) has gone down in wizarding history as the worst exhibition of temper ever given by an individual player. Niko Nenad’s teammates had become so concerned by his ferocious outbursts during the quarter and semi-finals that they tried to persuade their manager to substitute him for the final, advice that was sadly ignored by the ambitious old wizard. After the game, Nenad’s teammate Ivan Popa (winner of an International Wizarding Order of Merit for his life-saving actions during the catastrophe) told an international inquiry: ‘over the preceding weeks we’d seen Niko beat himself over the head with his broom and set fire to his own feet in frustration. I’d personally stopped him strangling two referees. However, I had no suspicion about what he was planning to do if the final didn’t go our way. I mean, who’d suspect that? You’d have to be as mental as he was.’ Precisely when and how Nenad managed to jinx an entire forest on the edge of the West Siberian Plain is open to speculation, although he is thought to have had accomplices among unprincipled fans and was later proven to have paid local Dark wizards substantial sums. After two hours of play, Romania were behind on points and looking tired. It was then that Nenad deliberately hit a Bludger out of the stadium into the forest beyond the pitch. The effect was instantaneous and murderous. The trees sprang to life, wrenched their roots out of the ground and marched upon the stadium, flattening everything in their path, causing numerous injuries and several fatalities. What had been a Quidditch match turned swiftly into a human versus tree battle, which the wizards won only after seven hours’ hard fighting. Nenad was not prosecuted as he had been killed early on by a particularly violent spruce.

The Tournament that Nobody Remembers

The ICWQC insists that a tournament has been held every four years since 1473. This is a source of pride, proving as it does that nothing – wars, adverse weather conditions or Muggle interference – can stop wizards playing Quidditch. There is, however, a mystery surrounding the tournament of 1877. The competition was undoubtedly planned: a venue chosen (the Ryn Desert in Kazakhstan), publicity materials produced, tickets sold. In August, however, the wizarding world woke up to the fact that they had no memory whatsoever of the tournament taking place. Neither those in possession of tickets nor any of the players could remember a single game. However, for reasons none of them understood, English Beater Lucas Bargeworthy was missing most of his teeth, Canadian Seeker Angelus Peel’s knees were on backwards and half the Argentinian team were found tied up in the basement of a pub in Cardiff. Precisely what had – or had not – taken place during the tournament has never been satisfactorily proven. Theories range from a Mass Memory Charm perpetuated by the Goblin Liberation Front (at that time very active and attracting a number of disaffected anarchist wizards) or the breakout of Cerebrumous Spattergroit, a virulent sub-strain of the more common Spattergroit, which causes severe confusion and memory impairment. In any case, it was deemed appropriate to re-stage the tournament in 1878 and it has been held every four years since, which accounts for the slight anomaly in the ‘every four years since 1473’ sequence.

Royston Idlewind and the Dissimulators

In 1971 the ICWQC appointed a new International Director, Australian wizard Royston Idlewind. An ex-player who had been part of his country’s World Cup-winning team of 1966, he was nevertheless a contentious choice for International Director due to his hard-line views on crowd control – a stance undoubtedly influenced by the many jinxes he had endured as Australia’s star Chaser. Idlewind’s statement that he considered the crowd ‘the only thing I don’t like about Quidditch’ did not endear him to fans. Their feelings turned to outright hostility when he proceeded to bring in a number of draconian regulations, the worst being a total ban on all wands from the stadium except those carried by ICWQC officials. Many fans threatened to boycott the 1974 World Cup in protest but as empty stands were Idlewind’s secret ambition, their strategy never stood a chance. The tournament duly commenced and while crowd turnout was reduced, the appearance of ‘Dissimulators’, an innovative new style of musical instrument, enlivened every match. These multi-coloured tube-like objects emitted loud cries of support and puffs of smoke in national colours. As the tournament progressed, the Dissimulator craze grew, as did the crowds. By the time the Syria-Madagascar final arrived, the stands were packed with a record crowd of wizards, each carrying his or her own Dissimulator. Upon the appearance of Royston Idlewind in the box for dignitaries and high-ranking officials, a hundred thousand Dissimulators emitted loud raspberries and were transformed instantly into the wands they had been disguising all along. Humiliated by the mass flouting of his pet law, Royston Idlewind resigned instantly. Even the supporters of the losers, Madagascar, had something to celebrate during the rest of the long, raucous night.

Reappearance of the Dark Mark

Possibly the most infamous World Cup Final of the last few centuries was the Ireland-Bulgaria match of 1994, which took place on Dartmoor, England. During the post-match celebrations of Ireland’s triumph there was an outbreak of unprecedented violence as supporters of Lord Voldemort attacked fellow wizards and captured and tortured local Muggles. For the first time in fourteen years, the Dark Mark appeared in the sky, which caused widespread alarm and resulted in many injuries among the crowd. The ICWQC censured the Ministry of Magic heavily after the event, judging that security arrangements had been inadequate given the known existence of a violent Pure-blood tendency in the United Kingdom. Royston Idlewind emerged briefly from retirement to give the following statement to the Daily Prophet: ‘a wand ban doesn’t look so stupid now, does it?’

Fonte:

https://www.pottermore.com/writing-by-jk-rowling/history-of-the-quidditch-world-cup

COMPRE SEUS LIVROS PELOS LINKS FORNECIDOS PELO BLOG, ASSIM VOCÊ AJUDA O BLOG A CRESCER E FICAR CADA VEZ MELHOR!

Até a Próxima!

https://www.instagram.com/antoniopimenta86/

https://www.facebook.com/antoniopimentablog/

PicPay: antoniopimenta86

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s