O Carregador de Tapetes

Antes das noites de Sherazade, nas areias quentes da Arábia, vivia um carregador de tapetes que trabalhava para o cruel Sultão. Todos os dias carregava tapetes, roupas e tudo mais que pudesse colocar nas costas, para ao fim do dia ter pão e mel.

Certa vez o Sultão começou um romance com uma bela senhora, e como forma de informa-la das suas intenções, mandou escolher os melhores tapetes de seu palácio para envia-los como mostra de generosidade e de amor. Assim o jovem levou todo aquele peso através da cidade, que já por essa época estava apinhada de pessoas e de problemas.

Na casa da senhora, o presente foi recusado. Ela disse que o Sultão teria que vir em pessoa, coberto de ouro para que pudesse assim reclamar seu amor. O jovem saiu, agora sem os tapetes, que apesar de recusados, ficaram. Ao retornar a casa de seu amo e narrar o ocorrido, este imediatamente mandou lhe fazerem roupas novas, douradas. Além de reunir o máximo de seu tesouro, pois iriam ter um casamento.

A cidade toda escutou rumores do casamento dourado do Sultão, e bandidos não tardaram a cercar o local. Temendo pela vida, chamou o rapaz que carregava seus tapetes, e ordenou que trocassem de roupas. Caso um mal lhe ocorresse, seria feito ao rapaz e não a ele.

A casa foi tomada pelos ladrões, impressionados com quantidade de ouro empilhada. O rapaz com as roupas de Sultão falou que todo aquele ouro, não se comparava ao que já havia levado para a casa de sua futura esposa,  o malvado que estava que estava coberto de uma roupa puída como sua alma, levantou a mão para o rapaz em protesto, ainda não tinha entendido por que estava falando assim e não sabia de ouro algum na casa da sua amante.

Jubilosos com a promessa de mais ouro, os ladrões acabaram matando o criado que protestava, dizendo ser de uma linhagem nobre e antiga e que estava ultrajado. Assim com o aval do jovem Sultão, partiram para o endereço deixando apenas dois homens guardando o tesouro.

Ao chegarem à casa da amante, surpreendida com a quantidade de ladrões, tentou oferecer os tapetes, seu amor, e tudo mais que não tinha valor aqueles homens. Acabou morta. Depois de destruírem toda a casa, os ladrões voltaram ao palácio.

O jovem Sultão já havia ordenado que as portas do palácio fossem trancadas, mas em sua sabedoria, deixou alguns camelos selados, quarenta camelos, para quarenta ladrões. Assim partiram em busca de novas aventuras e para longe da cidade. Quanto aos dois ladrões que guardavam o tesouro, um deles foi morto, o outro mais novo, chamado Jafar conseguiu fugir rastejando, ainda sujo de sangue. Pensando que dia voltaria ao palácio, decidido a ter de volta tudo que lhe era de direito.

Assim começou o governo do Sultão Hamed, que anos depois se casaria e teria uma filha, mas isso já é outra história.

 

Texto Antonio Pimenta

dda6834e2a4f92639dfab0e4a889cd4c.jpg

Leia As Mil e Uma Noites. Clique aqui.

Leia também:

https://antoniopimentablog.wordpress.com/2018/02/25/comparando-os-modelos-de-kindle/

Se gostou, deixe um comentário que em breve teremos mais posts.

https://www.facebook.com/antoniopimentablog/

https://www.instagram.com/antoniopimenta86/

2 comentários Adicione o seu

  1. Nossa que história interessante! Gostei demais!

    Curtido por 1 pessoa

  2. Ellen disse:

    Muito legal!! Quero ler logo a outra história! 😄

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s